[RESENHA] A Pequena Livraria dos Corações Solitários

Oi, Pessoal, tudo bem?

A resenha de hoje será dedicada ao livro “Pequena Livraria dos Corações Solitários”, que é o primeiro romance da escritora Annie Darling. Confesso que esse livro me ganhou pela capa, que é muito linda e cheia de vida, e por brindar algo constante na vida de todo leitor: o amor aos livros.

O livro vai apresentar como plano de fundo a Livraria Bookends, em Londres, que está imersa num momento de crise, visto que Lavínia, a sua excêntrica dona, acabou de morrer e deixou a livraria para Posy Morland, uma amante dos livros que tem a Bookends como lar. Acontece que, se em dois anos, a livraria não apresentar o retorno financeiro desejado, ela passará para Sebastian, o neto de Lavínia e o homem mais grosseiro de Londres.

Assim, de forma geral, o enredo vai abarcar a luta de Posy e dos seus amigos/empregados da Bookends para trazer a vida de volta à livraria, que guarda histórias desde o movimento sufragista, além de mostrar a batalha cheia de tensão e fantasias ardentes entre Posy e Sebastian.

Um dos pontos mais positivos da trama é o fato de que ele consegue celebrar, com maestria, o amor que sentimos pelos livros. Cada referência, cada citação e cada autor apresentado, ao longo das páginas, fazem com que os nossos brilhem e que nos sintamos parte do que está escrito ali. Confesso que me senti privilegiada por ler e ver os nomes das minhas escritoras favoritas ali, sendo elas também importantes para os protagonistas do livro.
“Seja corajosa, seja forte, seja um sucesso. Lembre-se sempre de seguir o seu coração e você não se perderá.”
Posy Morland é uma típica leitora: ama sentir um livro sob o seu toque, é apaixonada pelo cheiro das páginas amareladas e torce, fervorosamente, por um final feliz. À primeira vista, Posy parece ser uma garota sonhadora demais e que gosta de aliviar o stress com uma boa bebida, no fim de noite.

Contudo, à medida que vamos avançando, na história, vamos percebendo que ela possui inúmeras cicatrizes e que a vida foi fazendo com que ela, aos poucos, abandonando os seus sonhos. Fiquei bastante feliz por ir conhecendo Posy mais profundamente e por vê-la (re) nascer novamente e se dedicar de corpo e alma para a concretização de seu objetivo.

Você fica bastante feliz por vê-la indo à luta, enfrentando os obstáculos, apresentando a sua vulnerabilidade nos momentos certos, mas, ao mesmo tempo, sentimos a vontade de arrancar os cabelos todas as vezes em que ela duvida excessivamente do seu potencial e não consegue enfrentar, até o fim, o grosso e atraente Sebastian.
“Mas, principalmente, eu gostaria de agradecer aos meus pais, por me ensinarem que eu nunca estaria sozinha se amasse os livros.”
Por outro lado, temos Sebastian, o neto de Lavínia, o amor de infância de Posy, o também inimigo de Posy e o homem mais grosso de Londres. É sério, não sei como não entrei no livro e dei umas boas tapas naquele belo rosto. Quando é para ser grosso, não existe ninguém melhor para o papel.

Apesar de ter o seu lado empresário e que não admite receber um “NÃO”, Sebastian sabe ser generoso e sair de cena, quando preciso. Ele é o tipo de pessoa que precisa ser confrontado para perceber que nem sempre está certo e isso é uma das coisas que torna o relacionamento de Posy e Sebastian tão correto, pois ela sempre com uma resposta à altura.

Mesmo tendo o seu lado inconsequente e arrogante, Sebastian também tem as suas qualidades e sabe ir conquistando o seu espaço no livro. Contudo, achei que a construção de tal personagem foi caricata demais e com um toque exagerado no seu temperamento. Acho que faltou equilíbrio na sua personalidade e na história como um todo, infelizmente.
“Porque você, minha querida, mais que qualquer outra pessoa, sabe que lugar mágico uma livraria pode ser, e sabe que todos precisam de um pouco de magia na vida.”
Os personagens secundários são, na sua grande maioria, adoráveis e tornam a vida de Posy e a nossa leitura mais leves e cheias de humor. O enredo faz com que tenhamos curiosidade em saber o que acontece em suas vidas, quando não estão na livraria. Como destaque, temos Sam, o irmão mais novo de Posy, que é tudo o que um irmão deve ser: implicante, dono da razão e amoroso.

Além da história central, temos o desenvolvimento de uma pequena trama paralela, na versão de um romance de época e que, particularmente, me deixou vidrada e ansiosa para os próximos capítulos. Afinal, romance de época é vida, sendo ainda mais legal quando é escritora pela própria protagonista do livro e tem “Violada pelo devasso” como título.
“Toda grande arte e literatura é inspirada no amor, e eu acho que, em tempos difíceis, não há remédio mais efetivo do que ler um romance que lhe garanta um final feliz.”

A Pequena Livraria dos Corações Solitários é o primeiro volume da série “A Livraria dos Corações Solitários”, além de ser uma trama que nos ensina o porquê de torcermos tanto para um final feliz. Uma obra que brinda o amor aos livros e que nos mostra como precisamos ser perseverantes e determinados em alcançar o final que é, na verdade, o começo de uma vida cheia de amor e felicidade

Classificação: 3.5 estrelas 

0 comentários:

Deixe seu comentário